Direito e Economia
December 2nd
Male
Brussels

<< June 2006 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01 02 03
04 05 06 07 08 09 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30


If you want to be updated on this weblog Enter your email here:



rss feed

Wednesday, June 14, 2006
HISTÓRIA UNIVERSAL IV

 

Revolução Russa

 

1. No final do século XIX, a Rússia era o Estado mais extenso da Europa. O Império Russo albergava povos e culturas diversas, com graves desequilíbrios sociais, económicos e políticos. Um dos principais problemas era a concentração de terras nas mãos de poucos proprietários. A reforma de 1861, libertou os servos e distribuiu terras, mas não conseguiu os resultados esperados. Poucos camponeses receberam terras em quantidades suficientes. Apenas uma minoria de pequenos e médios proprietários, os kulaks, beneficiaram. O resto da população do campo era formado por um proletariado rural miserável. O lento desenvolvimento industrial russo deu-se graças à participação de capitais estrangeiros, principalmente ingleses e franceses. Mesmo assim, o desenvolvimento industrial russo foi inferior ao das demais potências europeias. Em 1877, dos 100 milhões de habitantes russos, apenas 1 milhão eram operários. Os czares russos governavam o império com mão-de-ferro. A monarquia russa nunca perdeu o seu carácter autocrático e despótico. Os opositores ao regime eram perseguidos por um eficiente aparelho de repressão policial.

 

2. A adopção do sufrágio universal e a convocação de uma Assembleia Constituinte.

 

3. As terras da aristocracia e da Igreja foram confiscadas. A propriedade privada dos meios de produção foi abolida (terras, minas, fábricas). O comércio exterior e o sistema financeiro ficaram sob o controle do Estado.

Novo Capitalismo

 

1. O superar da crise de 1929 deu-se por meio de reformas políticas que reformularam o papel do Estado nas economias capitalistas. O "New Deal" ou "Novo Pacto", acabou com o liberalismo económico. A partir dessa data, o Estado teve um papel fundamental na organização da economia e da sociedade.

 

2. A Inglaterra perdeu a sua condição de primeira potência industrial. Para evitar a perda total do seu Império Colonial, criou a "Commonwealth" ou seja, a Comunidade Britânica das Nações. No plano interno os liberais perdem a sua liderança para os trabalhistas. E, até à escalada do poder totalitário na Alemanha, permaneceu relativamente isolado dos problemas europeus. A França saiu da guerra vitoriosa mas arruinada, escolhendo uma política defensiva. Construiu a Linha Maginot e selou pactos e alianças com outros países para evitar uma nova invasão da Alemanha. Internamente, viveu momentos de instabilidade política, devido à luta entre direita e esquerda.

 

3. Durante o governo de Estaline, a União Soviética transformou-se na segunda potência mundial. Desenvolveu a indústria pesada, que produzia máquinas para outras indústrias. Realizou a colectivização da agricultura. Perseguiu os kulaks e fica com as suas terras. Os camponeses formaram cooperativas para facilitar o trabalho agrícola. Cuidou da educação e deu assistência aos trabalhadores, melhorando o nível de vida da população soviética. Realizou reformas políticas que transformaram o seu governo numa verdadeira ditadura. Em 1936, modificou a Constituição, suprimindo situações democráticas como a separação dos poderes e o sufrágio universal. Toda a forma de oposição foi eliminada durante as depurações e perseguições políticas realizadas entre 1936 e 1938.

 

Nacionalismos Totalitários

 

1. A Teoria do Estado totalitário, como senhor de todos os direitos. O totalitarismo fascista era antiliberal e antidemocrático. Segundo a Teoria Fascista, tudo deveria estar submetido à autoridade do Estado. A Ditadura do Estado era exercida pela burguesia, reunida em corporações.

 

2. As condições impostas pelos vencedores da Primeira Guerra Mundial sobre a Alemanha foram muito duras. A Alemanha pagava uma pesada dívida de guerra aos países vencedores. Além disso, havia perdido muitas vidas no conflito e sentia a falta de mão-de-obra. A miséria e o desemprego causados pela crise de 1929 provocaram o descontentamento generalizado. A crise de 1929 agravou a situação, uma vez que a Alemanha dependia de créditos americanos para saldar os seus compromissos internacionais.

 

3. A Ideia de Raça. Para Hitler e seus seguidores, a raça germânica era superior às demais, reservada a dominar o mundo. Desenvolveu a ideia de espaço vital dado que acreditava que as nações que não se estendiam eram decadentes.

 

4. Nas eleições de 1936, a Frente Popular, que agrupava os democratas de todas as tendências contra a Falange, o grupo totalitário, saiu vitorioso e, imediatamente, as tropas espanholas de Marrocos, sob o comando do General Francisco Franco, sublevaram-se contra a República.

 

Segunda Guerra Mundial

 

1.  Para bloquear o avanço da revolução comunista soviética.

 

2.      Incentivado pela passividade dos adversários, Hitler atacou a Polónia. A assinatura do tratado de não-agressão com a União Soviética dava-lhe maior tranquilidade. Os polacos foram derrotados e a França e a Inglaterra declararam guerra à Alemanha. A Polónia foi anexada à Alemanha, que submeteu a população a um processo de perseguições políticas e raciais.

 

3.      A Alemanha abandonou as suas conquistas e foi dividida em quatro zonas de ocupação, em que a União Soviética ocupou a parte Oriental do país; os Estados Unidos, a Inglaterra e a França ocuparam a parte Ocidental. Berlim, incluída na zona soviética, foi dividida entre os quatro aliados. A Itália abandonou as suas colónias e cedeu algumas regiões à Jugoslávia. A monarquia italiana foi substituída por um regime republicano. O Japão abandonou as suas conquistas e permaneceu temporariamente sob ocupação militar aliada. O regime imperial de Hiroito subsistiu.

 

Mundo do Pós-Guerra

 

1. A disputa entre a União Soviética e os Estados Unidos pelo domínio do mundo após a Segunda Guerra Mundial. A Guerra Fria opôs o mundo socialista e o capitalista e provocou uma corrida armamentista entre as duas super potências.

 

2. Após a guerra, as principais potências vencedoras reuniram-se na Conferência de São Francisco para criar uma organização que evitasse um novo conflito mundial. No dia 24 de Outubro de 1945, foi criada a Organização das Nações Unidas. Os principais objectivos da ONU são a manutenção da paz mundial, a defesa dos direitos do homem, a igualdade de direitos para todos os povos e a solução dos problemas que afligem a humanidade. A ONU desempenhou um papel importante na descolonização dos países da África e da Ásia.

 

3. O regime socialista cubano aprofundou a reforma agrária, combateu o analfabetismo, melhorou as condições de saúde e higiene da população, aumentou a produção, mas o povo vive sem conhecer as liberdades fundamentais e na pobreza.

 

Origens do Mundo Actual

 

1. O Primeiro-ministro soviético Kruschev preparou o caminho para a coexistência pacífica entre as duas potências. Moscovo e Washington estabeleceram novos contactos, mas a aproximação foi interrompida pela  crise provocada pela instalação, por parte da União Soviética, de bases para o lançamento de mísseis atómicos em Cuba.

 

2.   A partir da coexistência pacífica entre os Estados Unidos e a União Soviética, vários países da Europa capitalista reataram relações com países socialistas, tentando suavizar os efeitos da Guerra Fria. Apesar disso, a corrida armamentista entre as duas super potências continuou, atingindo o auge em 1980. No plano interno, a União Soviética enfrentava graves problemas económicos. A corrupção da burocracia estatal, os gastos com a corrida armamentista e a manutenção dos regimes aliados e de movimentos revolucionários no exterior pesaram no orçamento soviético e comprometeram o nível de vida da população. Em 1985, Gorbachev iniciou uma série de reformas visando a transformação da estrutura económica soviética: a Perestroika -  reestruturação das instituições e da economia, e a Glasnost -  abertura política.

 

3.      Em 9 de Novembro de 1989, caiu o muro de Berlim. As forças de ocupação foram retiradas da Alemanha e dá-se a reunificação. Tratados assinados em 1990 procuravam resolver questões de fronteira pendentes desde a Segunda Guerra Mundial. A partir de 1992, após uma tentativa de golpe da linha dura comunista à política de Gorbachev, a União Soviética desintegrou-se. Em seu lugar surgiu a Comunidade de Estados Independentes (CEI).

 

Blocos Económicos e Nova Ordem Mundial

1. Cuba deixou de receber auxílio económico da União Soviética e passou a sofrer maiores bloqueios económicos dos Estados Unidos.

 

2. Uma das características mais importantes do mundo actual é a formação de blocos económicos ou comunidades económicas, visando a integração de mercados. A Comunidade Económica Europeia (CEE), cujo mercado único entrou em vigor em 1992, constitui um desafio para a hegemonia americana. Os Estados Unidos procuram incentivar a formação do mercado americano. México, Canadá e Estados Unidos assinaram Tratados de Integração Económica, O Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (NAFTA na sigla inglesa) para contrabalançar os efeitos da unificação europeia. O Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai formam um mercado regional, o Mercado Comum do Sul (Mercosul) ao qual a Venezuela pediu a sua adesão em Dezembro de 2005. A Comunidade Sul-Americana de Nações (CSN) com 12 membros e em tentativas da sua formação real. A Organização dos Estados Americanos (ALCA) com 34 membros que não passou de projecto. O Pacto Andino criado em 1969 com 4 membros depois da saída recente da Venezuela. A Associação de Nações do Sudeste Asiático constituída em 1967 e 10 membros e muitos outros blocos.

 

3.  Desde meados da década de 1980, alguns países sul-americanos ensaiam mudanças nas suas economias, como o neoliberalismo, que conta com o patrocínio do Fundo Monetário Internacional (FMI), foi o grande responsável pelo "sucesso" de planos económicos destinados a estabilizar as economias sul-americanas. Sua "receita" inclui:

 

- A renegociação da dívida externa;

- A privatização de empresas estatais;

- A reforma administrativa do Estado e a redução do quadro de funcionários públicos;

- A abertura da economia ao capital estrangeiro.

A consequência dessa nova agenda económica é a queda da inflação, e a mais drástica o enorme desemprego e o aumento do abismo que separa ricos e pobres em todos os países do continente.

 

* Somos contrários às Políticas do FMI que em próximo escrito estará disponível na Internet. Para maior aprofundamento o livro "Globalization and its discontents" do Professor Joseph Stiglitz e Prémio Nobel da Economia de 2001, que tive o grato prazer de o conhecer em Macau a 18 de Março de 2002 e temos mantido contacto.

 

Mundo Actual

História Não Terminou

 

1. A revolução nos meios de comunicação e a revolução da informática.

 

2. A devastação do meio ambiente, gerada pela expansão descontrolada da industrialização, coloca em risco o equilíbrio da Terra e a vida no planeta.

 

3. A discussão, por parte de organizações ambientalistas e de governos, sobre a utilização da energia atómica com finalidades pacíficas.

 

4. A principal doença contagiosa que atinge cada vez maiores parcelas da população humana. Até o momento, os cientistas não encontraram uma cura nem uma vacina contra o vírus. O contágio dá-se pelo contacto sexual ou pelo sangue, seja por meio de transfusões contaminadas ou pela utilização de material não - esterilizado, como as seringas compartilhadas por viciados em drogas injectáveis. O seu nome Síndroma da Imune Deficiência Adquirida - SIDA ou AIDS na sigla inglesa.

 


Posted at 06:35 pm by Direito e Economia
 

Previous Entry Home Next Entry